quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

domingo, 1 de dezembro de 2013

1640, 1º. de Dezembro


É verdade, assumo-me como nacionalista naquilo que é mais importante - a preservação da cultura de um povo.
Conseguimos a nossa independência no Sec. XII, e assim nos mantivemos ao longo da história com um interregno, o filipino, porque culturalmente somos diferentes do povo com que fazemos fronteira.
Mas, no dia de hoje, fundamentalmente no dia de hoje, já depois de ter exaltado, no FB, D. Filipa de Vilhena, a portuguesa mãe que armou aos filhos cavaleiros para que dessem a vida pela Pátria ( nos nossos tempos diriam mais facilmente : Oh, filho, não te metas nisso porque podes arranjar problemas para o teu futuro...), recordo ainda outra mulher, a D. Luísa de Gusmão, que perante a vacilação de D. João de Bragança (o futuro D. João IV) lhe terá afirmado : "Antes rainha por um dia que serva toda a vida...!".
E recordo também as divisões que existiram nas elites do tempo, fundamentalmente na aristocracia portuguesa, em que uns  apoiavam a causa nacional e outros, a melhor recato, se mantinham do lado do ocupante. Nisto certas elites não mudam...
Tal como recordo que após a morte e defenestração de Miguel de Vasconcelos, o representante do poder estrangeiro que dominava o nosso país, foi perguntado à Duquesa de Mântua se queria sair pela porta ou galgar, também, pela janela...
Estamos quase a 4 séculos de distância mas, terrivelmente, continuamos a assistir a situações idênticas.
Migueis de Vasconcelos e Duquesas de Mântua continuam a existir por cá mas conjurados com vontade de mudar a situação, efectivamente, é que parece existirem ainda poucos.
A vontade de descaracterização desta data, porque nacional, levou inclusivamente à perca de categoria de feriado do dia de hoje. Há quem se sinta ufano por afirmar que vivemos em protectorado.
Não estamos, afinal, muito longe de 1640. Necessário é que existam mais fenómenos como o Manuelinho de Évora e apareça um D. Antão de Almada que disponibilize a casa para a conjura.

domingo, 24 de novembro de 2013

Receio

Os cíclicos desaparecimentos de António José Seguro da primeira linha do combate e contestação política ao governo estão a tornar-se cada vez mais comprometedores.
Numa altura de enorme efervescência política o secretário geral do PS prima pela ausência e pela não afirmação política. Anda a fazer sessões de esclarecimento pelas bases do partido, a falar do OE 2014 com o resultado que se verá, ou seja, praticamente, nenhum. Pode, contudo, já estar a trabalhar para o próximo congresso do PS.
Há quem defenda, e eu estou de acordo, que AJS receia que, chegado ao poder, possa vir a ser confrontado com situações idênticas e procedendo desta maneira o faz para não poder ser acusado de ter tomado atitudes de confronto quando era oposição.
A ser assim, só pode ser considerado de uma forma. AJS não se considera à altura para fazer face a contestações populares uma vez no poder e /ou não ter a certeza de as suas opções em matéria política sejam suficientemente abrangentes e necessárias para criar uma plataforma de convergência popular à roda do seu programa e das suas medidas.
Por outro lado, também sabemos que AJS, que em devido tempo retirou apoio e contestou interna e parlamentarmente José Sócrates no fim do consolado deste, mais não fez, de seguida, do que tentar acompanhar o governo do PSD dando-lhe o benefício da dúvida.
O seu desaparecimento de actos públicos relacionados com a esquerda em sentido lato e não só, prenunciam apenas o receio de ser conotado com atitudes mais fortes, abalando o seu sentido táctico com que julga poder arrastar atrás de si aquele eleitorado que gosta de ver um candidato a 1º ministro bem comportadinho e sem se arrogar a atitudes mais "revolucionárias".
Como as coisas estão a caminhar talvez se venha a surpreender.
Alternativas à sua acção só o PS e os seu militantes poderão forjar, até porque, e do mesmo modo, a continuar da forma como se tem posicionado, do Costa não rezará a História.

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Grisalhos

Afinal, parece que a geração contemporânea da nossa Revolução de 74, aquela que a promoveu e defendeu, apesar dos 40 anos passados , ainda tem vitalidade para fazer frente ao poder vigente, congregando, à boa maneira do tempo da ditadura, democratas de todas as inspirações apenas com um desígnio: defender a Constituição da República e o Estado de Direito nela plasmado.

Houve um "patetoide" que um dia tentou achincalhar-nos e dividir-nos. Teve ontem a resposta. A "geração grisalha" apesar dos anos passados ainda está presente para defender aquilo que conquistou para o seu país. Uma geração que apenas tem uma pátria que se chama Portugal, que não se chama nem Mercado nem Capital. Uma geração de valores intrínsecos gerados na luta contra um estado autoritário que, parece haver alguns,ainda por ele anseiam. Pobres tristes. Ainda não aprenderam que "Roma não paga a traidores".

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Sir Nicholas Winton - BBC Programme "That's Life" aired in 1988


 
Isto sim, meus amigos, vale uma vida.
 
"Sir Nicholas Winton organizou o resgate e passagem para a Grã-Bretanha de cerca de 669 crianças, na sua maioria provenientes da comunidade judia da Checoslováquia e cujo destino traçado eram os campos de extermínio nazi (no quadro de uma operação conhecida como Czech Kindertransport, ainda antes da segunda guerra mundial).

Depois da guerra, Nicholas Winton não contou a ninguém o sucedido, nem mesmo à sua esposa Grete. Em 1988, meio século mais tarde, Grete encontrou no sótão um álbum de 1939, com todas as fotos das crianças, uma lista completa de nomes, algumas cartas de pais das crianças para Winton e outros documentos. Ela, finalmente, soube da história e aí começou um pequeno e bonito mistério de regresso do bem feito.

O vídeo mostra um aspecto da ocasião organizada para que Sir Nicholas Winton reencontrasse, de surpresa, alguns dos sobreviventes."
(Roubado ao Porfírio Siva)

segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Do medo

 
 
Mas só de quem ainda o tiver.
Então, juntemo-nos todos, os que não têm e os que já o tiveram e perderam, e façamos o necessário para mudar a situação.
O verdadeiro poder está, como sempre esteve, em nós desde que o saibamos protagonizar.
Nada é irreversível a não ser a morte e mesmo essa não tem força suficiente para apagar a memória de quem não teve, não tem ou deixou de ter medo.
E nada mais nos pode ser humanamente exigível do que morrer de pé.

domingo, 17 de novembro de 2013

O futuro europeu morreu ontem




Pelo que se vai desenrolando politicamente por essa Europa com a traição aos princípios que construíram o ideal europeu por parte dos partidos que o promoveram ( socialistas/sociais-democratas e democratas-cristãos) nada mais existe do que constatar que o futuro europeu morreu "ontem" e que hoje, para além de olharmos com desprezo para o cadáver, mais não nos resta do que começar de novo, baseados na tradição humanista que nos enforma,  e se necessário recorrer à força para impedir as tendências totalitárias de extrema-direita que se avizinham (Holanda, França, Hungira e não só).

Fomos atraiçoados pelos líderes europeus, pelas organizações políticas e político-partidárias europeias, nos finais do sec.XX e princípio do sec. XXI.

Pouco mais nos resta, se ainda nos resta alguma coisa, que tomar o futuro nas nossas mãos e avançar, apesar dos sacrifícios que possam estar no horizonte, mas caminhando em frente por nós, povos da Europa e fundamentalmente da Europa do Sul, caso contrário seremos certamente engolidos sem apelo nem agravo às mãos de um qualquer autoritarismo e à total supressão das liberdades que conquistámos com tanto esforço e que serão menosprezadas, como sempre sucede, quando os povos se sentem ameaçados na sua segurança e no seu bem estar (?).

O futuro desta Europa morreu. Unamo-nos para construir outro enquanto é tempo.

sábado, 17 de agosto de 2013

A ameaça

Por causa do meu post  que, de forma indirecta, falava sobre o a estátua daquele homenzinho a que tratavam por cónego recebi uma ameaça que, por um questão de decência intelectual, me recusei a publicar como comentário.
Mas fiquei cheio de medo...!
Por isso e agora de outra forma pergunto:
A estátua daquele sacripanta ainda está de pé ?
Beijinhos ao autor da ameaça...

Só num país de anedota

A chamada "Festa do Pontal" veio confirmar. Somos um país de anedota. E porquê ?
Simples !
Só num país de anedota, um governo cripto-fascista, se pode dar à pouca vergonha de, reiteradamente, produzir legislação que sabe, à partida, ser inconstitucional e, mesmo assim, tentar a sua promulgação.
Só num país de anedota porque, se o não fosse, o tal governo cripto-fascista, não durava mais um minuto no poder até pela simples razão de permanentemente afrontar o órgão, por excelência, defensor da constituição e por isso mesmo do regime democrático vigente.
Quem afronta a lei fundamental afronta a legalidade democrática e como tal deve ser banido.
Mas, claro, isso seria num país como deve  ser, democrático, respeitador da Lei, e não neste, um país que é uma anedota...

domingo, 19 de maio de 2013

É bom que se saiba...

Holanda pode provocar o colapso do euro
A bolha imobiliária estourou, o país está em recessão, o desemprego sobe e a dívida dos consumidores é 250% do rendimento disponível. O grande aliado da Alemanha na imposição da austeridade por todo o continente começa a provar o amargo da sua própria receita. Por Matthew Lynn, El Economista
Artigo | 13 Maio, 2013 - 20:57
 
A Holanda começa a provar o amargo da austeridade que o seu ministro das Finanças quer aplicar em toda a Europa. Foto By Rijksoverheid.nl [CC0], via Wikimedia Commons
Que país da zona euro está mais endividado? Os gregos esbanjadores, com as suas generosas pensões estatais? Os cipriotas e os seus bancos repletos de dinheiro sujo russo? Os espanhóis tocados pela recessão ou os irlandeses em falência? Pois curiosamente são os holandeses sóbrios e responsáveis. A dívida dos consumidores nos Países Baixos atingiu 250% do rendimento disponível e é uma das mais altas do mundo. Em comparação, a Espanha nunca superou os 125%.
A Holanda é um dos países mais endividados do mundo. Está mergulhada na recessão e demonstra poucos sinais de estar a sair dela. A crise do euro arrasta-se há três anos e até agora só tinha infetado os países periféricos da moeda única. A Holanda, no entanto, é um membro central tanto da UE quanto do euro. Se não puder sobreviver na zona euro, estará tudo acabado.
O país sempre foi um dos mais prósperos e estáveis de Europa, além de um dos maiores defensores da UE. Foi membro fundador da união e um dos partidários mais entusiastas do lançamento da moeda única. Com uma economia rica, orientada para as exportações e um grande número de multinacionais de sucesso, supunha-se que tinha tudo a ganhar com a criação da economia única que nasceria com a introdução satisfatória do euro. Em vez disso, começou a interpretar um guião tristemente conhecido. Está a estourar do mesmo modo que a Irlanda, a Grécia e Portugal, salvo que o rastilho é um pouco mais longo.
Bolha imobiliária
Os juros baixos, que antes do mais respondem aos interesses da economia alemã, e a existência de muito capital barato criaram uma bolha imobiliária e a explosão da dívida. Desde o lançamento da moeda única até o pico do mercado, o preço da habitação na Holanda duplicou, convertendo-se num dos mercados mais sobreaquecidos do mundo. Agora explodiu estrondosamente. Os preços da habitação caem com a mesma velocidade que os da Flórida quando murchou o auge imobiliário americano.
Atualmente, os preços estão 16,6% mais baixos do que estavam no ponto mais alto da bolha de 2008, e a associação nacional de agentes imobiliários prevê outra queda de 7% este ano. A não ser que tenha comprado a sua casa no século passado, agora valerá menos do que pagou e inclusive menos ainda do que pediu emprestado por ela.
Por tudo isso, os holandeses afundam-se num mar de dívidas. A dívida dos lares está acima dos 250%, é maior ainda que a da Irlanda, e 2,5 vezes o nível da da Grécia. O governo já teve de resgatar um banco e, com preços da moradia em queda contínua, o mais provável é que o sigam muitos mais. Os bancos holandeses têm 650 mil milhões de euros pendentes num sector imobiliário que perde valor a toda a velocidade. Se há um facto demonstrado sobre os mercados financeiros é que quando os mercados imobiliários se afundam, o sistema financeiro não se faz esperar.
Profunda recessão
As agências de rating (que não costumam ser as primeiras a estar a par dos últimos acontecimentos) já se começam a dar conta. Em fevereiro, a Fitch rebaixou a qualificação estável da dívida holandesa, que continua com o seu triplo A, ainda que só por um fio. A agência culpou a queda dos preços da moradia, o aumento da dívida estatal e a estabilidade do sistema bancário (a mesma mistura tóxica de outros países da eurozona afetados pela crise).
A economia afundou-se na recessão. O desemprego aumenta e atinge máximos de há duas décadas. O total de desempregados duplicou em apenas dois anos, e em março a taxa de desemprego passou de 7,7% para 8,1% (uma taxa de aumento ainda mais rápida que a do Chipre). O FMI prevê que a economia vai encolher 0,5% em 2013, mas os prognósticos têm o mau costume de ser otimistas. O governo não cumpre os seus défices orçamentais, apesar de ter imposto medidas severas de austeridade em outubro. Como outros países da eurozona, a Holanda parece encerrada num círculo vicioso de desemprego em aumento e rendimentos fiscais em queda, o que conduz a ainda mais austeridade e a mais cortes e perda de emprego. Quando um país entra nesse comboio, custa muito a sair dele (sobretudo dentro das fronteiras do euro).
Até agora, a Holanda tinha sido o grande aliado da Alemanha na imposição da austeridade por todo o continente, como resposta aos problemas da moeda. Agora que a recessão se agrava, o apoio holandês a uma receita sem fim de cortes e recessão (e inclusive ao euro) começará a esfumar-se.
Os colapsos da zona euro ocorreram sempre na periferia da divisa. Eram países marginais e os seus problemas eram apresentados como acidentes, não como prova das falhas sistémicas da forma como  a moeda foi estruturada. Os gregos gastavam demasiado. Os irlandeses deixaram que o seu mercado imobiliário se descontrolasse. Os italianos sempre tiveram demasiada dívida. Para os holandeses não há nenhuma desculpa: eles obedeceram a todas as regras.
Desde o início ficou claro que a crise do euro chegaria à sua fase terminal quando atingisse o centro. Muitos analistas supunham que seria a França e, ainda que França não esteja exatamente isenta de problemas (o desemprego cresce e o governo faz o que pode, retirando competitividade à economia), não deixa de continuar a ser um país rico. As suas dívidas serão altas mas não estão fora de controlo nem começaram a ameaçar a estabilidade do sistema bancário. A Holanda está a chegar a esse ponto.
Talvez se tenha de esperar um ano mais, talvez dois, mas a queda ganha ritmo e o sistema financeiro perde estabilidade a cada dia. A Holanda será o primeiro país central a estourar e isso significará demasiada crise para o euro.
Matthew Lynn é diretor executivo da consultora londrina Strategy Economics.
Publicado originalmente em El Economista, republicado em Jaque al Neoliberalismo.

quarta-feira, 8 de maio de 2013

8 de Maio



8 de Maio de 1945, o Marechal de campo Keitel assina a rendição incondicional da Alemanha pondo fim à II Guerra Mundial em território Europeu. 68 anos depois...

segunda-feira, 6 de maio de 2013

O futuro de Victor Gaspar visto por um reformado

Cá por mim, retirava-lhe o passaporte e obrigava-o a trabalhar durante uns anos como assistente administrativo com o respectivo vencimento, mas colocando-o de imediato no quadro de mobilidade com a possibilidade de ficar sem vencimento ao fim de 18 meses. Mas continuaria obrigatoriamente por cá para poder avaliar "in loco" e com as necessárias implicações as consequências da sua própria política. Quando ele já se chamasse, a si próprio, "filho da mãe" pelas políticas que tinha determinado então deixava-o sair, mas apenas e sem hipótese de negação, para o Burkina Faso.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...