terça-feira, 30 de dezembro de 2008

Oh, Pai !

Para quem me conhece sabe que o dia de hoje é de comemoracao.
É uma data que vejo repetir-se de bom grado e sem exitacoes nem tristeza.
Estar cá e ir envelhecendo, sabendo-me sempre disponível para todos que o merecem,sao razoes suficientes para poder afirmar que vou disfrutando de alguma felicidade.
O saber que tenho comigo a companheira de sempre e as minhas muito queridas tres árvores que, aliás, tem florescido e dado novos frutos, além de um "clan" irrepreensível , é o que cimenta este meu desejo de sempre continuar, aprender e procurar novos desafios.
Talvez por essa razao, também, e agora justifico o título deste texto, sinto a felicidade de alguém a quem pela primeira vez lhe disseram : "Oh, Pai !"
Eu sei que foi uma lindíssima prenda de Natal para quem a ouviu mas, creiam que, partilhando a felicidade, é igualmente para mim uma adorável prenda de anos, que nao esquecerei.
É nestas pequenas coisas, neste sentir os outros, que tenho bem a consciencia de ter gasto a quase totalidade dos meus anos passados. E nao vou mudar porque a felicidade, mesmo que nao minha, me faz feliz.

domingo, 28 de dezembro de 2008

Um passeio a Bad Zwischenahn

Bad Zwischenahn é uma pequena vila termal junto a um grande lago -Zwischenahner Meer -, que dista cerca de 20 kms de Oldenburg.
É um burgo de casas baixas, mais um, e, talvez por ser domingo e o comércio se encontrar quase todo aberto,de muita gente cirandando pelas ruas.
Como facto excepcional é a existencia de um grande jardim público junto à margem do lago,com um pequeno porto de acostagem para barcos de recreio, tipo marina, e um normal para pequenos ferry-boats para passeios.
É uma zona extremamente agradável, com restaurantes e cafés de muito boa decoracao, e malgrado a temperatura, hoje às 15 horas estavam zero graus, estava cheio de gente passeando e criancas brincando num pequeno, mas suficiente, recinto com areia de praia, onde existem os habitais baloicos, escorregas e demais equipamento adequado.
Chama, também, muito a atencao o facto de se encontrar semeado por um sem número de construcoes antigas, com telhados de colmo, a fazer lembrar ser uma antiga zona de quintas .
Fazendo alusao à época que estamos atravesando, as muitas árvores encontam-se iluminadas
com fiadas de luzes o que, ao entardecer, nos oferece ma lindíssima paizagem.
É claro que lanchamos num daqueles restaurantes muito bem decorados e quentinhos, com aqueles magníficos bolos à fatia, sentadinhos,como é habitual em bons "maples".
Uma tarde de domingo muito bem passada e ao ar livre, num ambiente diferente e com a certza de se ter conhecido mais um pedacito desta zona, tao diferente daquilo a que estamos habituados.
E já agora, e como é costume, sem barulho em demasia, o que se torna deveras agradável.

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Lilienthal - 25.12.08

Ontem tivemos uma festa de família em Lilienthal, uma terra com um nome lindo - significa Vale dos Lírios -, que dista cerca de 70 kms de Oldenburg.
Mais uma cidade pequenina, de casas baixas, como é hábito por estas paragens, rodeadas de pequenos jardins.
Apesar do frio que se comecou a sentir, entre os 2 e os 4 graus centígrados, encontramos o calor de uma família extremamente acolhedora, em que estava presente o espírito gregário do Natal.
Nao pescando nada de alemao, ou quase nada, até parecia que estavamos todos a falar a mesma língua, tal foi o ambiente calmo e confortável em que nos encontramos.
Mais uma vez foi muito bom e sentimos, deveras, aquilo que para nós é por demais importante:
Independentemente do país ou regiao o Natal é sobretudo uma festa de família, de congregacao, de calor humano e de partilha.
Temos sido uns sortudos.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

OLDENBURG - Feira de Natal - 21.12.08

Pois é !

Quiz o destino, ou melhor, a amabilidade da minha descendência, que, pela primeira vez, fizesse uma quadra de Natal fora do meu ambiente habitual, a minha Lisboa, a minha casa e a casa de família habitual nestas ocasioes.

Por tal razao encontro-me em Oldenburg, uma cidade da Baixa Saxónia, junto do resto da família que também muito amo.

Por isso se, mudar de ares nesta época, pode ser fora do normal, o estar junto com quem me faltaria obrigatóriamente em Lisboa, além da alegria da proximidade, dá-me, igualmente, a certeza do mesmo ambiente de habitual comunhao familiar.

E até agora nem o senao da temperatura pode ser usado em detrimento da causa já que pouco menor tem sido do que já sentira este ano em Lisboa.

Depois deste intróito quero falar-lhes da minha primeira experiencia nesta cidade.

Mal cheguei fui à Feira de Natal de Oldenburg -LAMBERTI MARKT -, já que o seu encerramento se efectuava naquela noite.

E posso dizer que presenciei algo que nunca tinha visto e que me dispos de feicao.

É uma feira pequena, típica, muito concorrida e acolhedora e cheía de luz.

Bebi a conhecida GLÜHWEIN, cheia de especiarias, saborosa ao máximo, quentinha como deve ser, com muita gente no meio da rua a confraternizar e fundamentalmente sem muito barulho nem música em altos berros.

Foi um belíssimo cartao de visita para os próximos 15 dias.

Como hoje é um dia especial por aqui fico; depois dou mais notícias e talvez as primeiras fotos.

Feliz noite de Natal ou FROHE WEIHNACHTEN, que é como se diz aqui por estas bandas.

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Crise económica pode contribuir para redescobrir verdadeiro significado do Natal - Bento XVI

Como sempre para a Igreja Católica é através do sofrimento que se podem atingir os superiores estádios da compreensão da Mensagem.
Nunca muda nada, nem nunca mudará...

Eu pressinto que não vai negociar à esquerda. Isso é muito grave.

Tudo bem, é uma posição mas, para haver coerência, onde estava Manuel Alegre quando Mário Soares fez um acordo de governo com o CDS e mais tarde quando, com Mota pinto, o mesmo Mário Soares celebrou o acordo para o Bloco Central.
Não o ouvi nessa altura, ou será que Manuel Alegre mudou de opinião ?
Mudar de opinião não é pecado, mas que o diga sem peias, não se faça esquecido.
Alegre parece querer ser o Lafontaine português e construir um partido novo, tipo"A Esquerda".
Que ganhará com isso ?
Se se passar como na Alemanha, mais não fará que promover a constituição de um novo Bloco Central, que parece, no limite, ser aquilo que pretende combater.
Outra pergunta:
E no PS não existe mais ninguém na ala esquerda?
É claro que existe! E a sua posição é de lutar dentro do Partido ou de o abandonar ?
É precisamente o de lutar,de fazer parte do jogo democrático genuíno, de semear as suas ideias, de esperar pela sua hora ou pela mudança. Ninguém, porque perdeu, porque é minoria, sai do partido para ir constituir outro onde seja maioria.Não é, no limite, moralmente recomendável.

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Santana Lopes vai concorrer à Câmara de Lisboa

E nós a pensar que nos tinhamos livrado das "santanettes"...
Mais, a fraqueza do PSD é tamanha que uma presidente do partido que tinha dito de SL o que Maomé não disse do toucinho, agora patrocina a sua candidatura.
Mais um caso de coerência deste partido.
E vão dois...só hoje...amanhã há mais.

PSD vai abster-se na votação do Estatuto dos Açores

Independentemente da validade das considerações do Presidente da República e das posições da bancada do PS , o que mais me choca é a coerência do PSD.
Votou favorávelmente, 2 vezes, a mesma lei, na companhia dos outros grupos parlamentares. Agora abstem-se e ainda tem coragem em falar em guerrilha política.
Quando não se sabe minimamente o que se quer politicamente faz-se disto. Uma tentativa de agarrar os adeptos incontestáveis do PR ?
Nada custa a pensar que, se amanhã o PR quizesse propôr uma ditadura, o PSD não lhe fosse no encalço.
Sobre os assuntos dos vetos, só uma pergunta se me levanta:
-Quando o PR veta é legítimo.
-Quando a AR obriga o PR a promulgar não é legítimo ?
Qualquer dos casos é constitucionalmente aceitável.
Se os senhores deputados não são um rancho de virgens intocáveis, o PR também não o é.
Volto a afirmar que não estou a discutir os termos da lei, apenas as atitudes de quem muda de voto por questões de mera táctica ou incapacidade política.

domingo, 14 de dezembro de 2008

O discurso de Manuel Alegre no Fórum das Esquerdas

Um bom discurso revolucionário.
Recordou-me uns bons e velhos tempos a seguir à Revolução.
Tudo bem, e agora ?
Novidades não houve, soluções também não.
Nos princípios estamos de acordo, quanto ao resto...
Face às declarações no final do Fórum em que Manuel Alegre afirmou que o problema da esquerda não é só português, é também europeu e global, não existem dúvidas que, então, está tudo por fazer ao nível dessa confluência das diferentes sensibilidades.
Assim, e não aproveitando a ocasião para rupturas que considera necessárias, o discurso foi um acto sem consequências para o futuro imediato, aquele que se vai confrontar com a gravíssima crise mundial, e talvez nunca mais lhe apareça uma outra oportunidade para fazer vingar os seus pontos de vista.

Edmundo Pedro retira apoio ao encontro

Edmundo Pedro retirou o apoio ao Fórum da Esquerdas.
O velho fundador e militante socialista pôs o dedo na ferida.
Apesar da grande amizade com Manuel Alegre, Edmundo Pedro não aceitou ser mais um no seguidismo ao Vice-Presidente da AR, e jogar, deliberadamente, contra o Partido que ajudou a fundar. Em suma, não se pode querer união com quem, à partida, recusa essa união, a não ser que se trate de um projecto encapotado e com outras expectativas. Ou não será mesmo ?

sábado, 13 de dezembro de 2008

De novo Anselmo Borges

No DN de hoje aparece um novo artigo do Padre Anselmo Borges, desta vez sobre o Fórum Católico-Muçulmano, realizado em Novembro último, no Vaticano.
Congratulo-me, como cidadão, com iniciativas destas, aliás no seguimento dos trabalhos realizados pelo anterior Presidente português, Dr. Jorge Sampaio, como enviado especial das ONU para o diálogo intercultural, ou as iniciativas de encontros inter-religiosos patrocinados por Mário Soares.
Todos caminham no mesmo sentido, o que é de destacar.
Das 15 conclusões do Fórum, é de enaltecer "que a pessoa requer o respeito pela sua dignidade original e a sua vocação humana. Defende-se, por isso, uma legislação civil que assegure a igualdade de direitos e a plena cidadania de todos, e há o compromisso de assegurar que a dignidade humana e o respeito se estendam a uma igualdade de base entre homens e mulheres".
Noutra conclusão afirma-se que "católicos e muçulmanos estão chamados a ser instrumentos de amor e harmonia entre crentes e para a humanidade em geral, renunciando a qualquer tipo de opressão, violência agressiva e terrorismo, sobretudo quando se cometem em nome da religião".
Ora o que aqui se descreve em linhas gerais, qualquer crente ou não crente pode assinar por baixo, contudo, tanta clareza de objectivos, suscita-me algumas perplexidades.
Então não são estes mesmos dirigentes religioso que apadrinham o tratamento desumano das mulheres nos seus países (quer por lapidação, por falta de direitos civis, etc., e mesmo nos católicos, pela impossibilidade das mulheres ascenderem a cargos na hierarquia ?
Então não foi o Vaticano, que imbuído por estas ideias sábias, defendeu aqui há tempo ser contra a descriminalização da homossexualidade ?
Pois é ! A letra não diz com a careta !
Mesmo o padre Anselmo Borges, que eu muito admiro como cidadão, não consegue fugir, porque sacerdote católico, às contradições das regras que lhe são (?) impostas.

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Um novo artigo do Padre Anselmo Borges

Como já vos tenho dito existem pessoas que sou incapaz de não ler.
Devorador matinal de jornais e de informação televisiva e pela internet, tenho os meus articulistas de eleição. De entre eles sobressai o padre e filósofo Anselmo Borges.
Na edição de sábado do DN disserta o padre sobre o feriado (8/12) da Imaculada Conceição.
Eu sei que sou um não crente mas esse facto não me retira o sentido crítico sobre os textos que leio, mesmo os escritos por padres e sobre assuntos de religião.
Pois o autor, contestando a teoria de Santo Agostinho sobre o pecado original, faz em poucas linhas uma aproximação ao assunto -A imaculada Conceição- em que, discernindo, chega a concluir que, e cito, "Nascer é vir à luz e dar à luz não mancha a mãe, como supõe a doutrina da virgindade de Maria".
Esta frase deverá alegrar a maioria das cristãs que, porventura tenham estado até hoje reféns de uma doutrina abjecta que tem sido transmitida de geração em geração.
Pessoalmente, e porque tal não é questão, não me altera em nada o que penso ou já pensava.O que me satisfaz é ver um sacerdote, sobretudo ver um homem, que não tem medo de olhar a vida com um olhar contemporâneo e progressista e avisado.
Este padre não faz parte daquele grupo que, há quem diga, eu não me canso de combater.

Temos Governo

Nunca tinha assistido, nestes 30 e tal anos de democracia, a uma tomada de posição de um Governo da República em que se demonstrasse que o mesmo não tem medo da rua e que está a governar e a decidir porque é quem está mandatado para o fazer.
A posição tomada na Educação é disso um exemplo flagrante.
A Ministra é firme e tem coragem e tem o Governo consigo.
Para quem achava que a proximidade das eleições de 2009 iria alterar as posições firmes do Governo, pode ficar desiludido.
Por mim, apenas me congratulo por termos Governo.

Uma reconfortante descoberta

Façam como eu e vão ler
fernandonobre.blogs.sapo.pt
Acaso não conheçam, tenho a certeza que apreciarão como eu apreciei.

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Vaticano

Uma notícia elucidativa embora fosse de esperar.
O Vaticano, esse micro-estado monárquico com 700 habitantes, resolveu mais uma vez meter-se nos assuntos terrenos e lançar uma cruzada contra a descriminalização da homossexualidade.
Deste modo, e fazendo coro com mais uns 50 ou 60 estados homofóbicos do Mundo, o Vaticano resolveu equiparar-se a outros que aplicam até a pena de morte para quem "sofra" de tal "maleita".
Direitos humanos ?
O Vaticano, por vezes, não sabe o que é isso, embora encha a boca com doutrina que parece defendê-los.
Coitado do Deus que diz seguir perante tais atropelos.

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

PS "chumba" resoluções pela suspensão da avaliação, Manuel Alegre a favor

Isto não é notícia ...

Um chato !

Ontem recebi, de viva voz, uma crítica sobre o teor deste blog.
Disseram-me assim :
-Tás um chato !
Queria isto dizer, por outras palavras, que tenho previlegiado, sobremaneira, o comentário político, chamem-lhe combate, se quizerem.
É verdade, mas não é novo.
É certo que até há um mês, mais coisa menos coisa, ia conseguindo intercalar com outros temas e até imagens. Mas tudo tem uma razão de ser.
Além do gosto pelo combate político e pela defesa dos meus pontos de vista, o que é inegável, também não tenho tido a capacidade de me alhear de um outro tipo de circunstâncias que me envolveram, e daí, talvez, este monolitismo temático.
Encaixando a crítica , espero que o momento actual passe célere e que, mesmo até ao fim do ano, consiga apresenta-vos textos novos e mais diversificados, a que não será alheia uma viagem programada durante a qual tenciono, igualmente , postar alguns textos e/ou informações.
Até lá, contudo, e à falta de melhor, vão lendo, se o entenderem, os textitos políticos que vou escrevendo.

quinta-feira, 4 de dezembro de 2008

Crédit Suisse perde dois mil milhões de euros e despede 5.300 empregados, 11 por cento do seu pessoal

Até os colossos abanam...
Será que o governo suiço, se ajudar o Crédit, também vai ter de explicar tudo, tim-tim por tim-tim,
e ouvir as patéticas afirmações de um qualquer Paulo Portas suiço, com um discurso salazarento ?
Se calhar não, que aquilo é um país civilizado.

Protesto dos alunos do básico e do secundário

Sem comentários !
Mais uma nota:
O que faz o professor Mário Nogueira à porta de uma escola hoje manhã ?
Foi controlar ?

quarta-feira, 3 de dezembro de 2008

Grande greve dos professores

É notoriamente uma greve imensa. Tudo bem!
Agora pergunta-se :
Que consequências vai ter ?
Se o governo for competente, nenhumas !

Manuel Alegre indignado com salvamento do BPP

As afirmações, de hoje, do deputado Manuel Alegre são a resposta cabal à sua capacidade de poder, algum dia, vir a ser um estadista português que olhe para o país, para todo o país.
Mais uma vez demonstrou que não é estadista quem quer mas quem o consegue ser.
Portugal não é uma capelinha é um país. Por isso não pode ser governado por um pároco mas sim por um homem de estado.
Portugueses são todos, não só os pobres mas também os ricos, não só os grandes bancos mas tambem os pequenos bancos, não só as grandes empresas mas também as médias e as pequenas, tais como os jornais, e não se esqueça o deputado que encerrou o "O Século" quando esteve no Governo a seguir à revolução.
Manuel Alegre com estas declarações assemelha-se a um populista. Não creio que queira ser comparado a Hugo Chavez. Ou será já o resultado de um fim de semana que lhe correu muito mal, com o que foi afirmado no congresso do PCP.
Quem semeia ventos...
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...