Pular para o conteúdo principal

De novo Anselmo Borges

No DN de hoje aparece um novo artigo do Padre Anselmo Borges, desta vez sobre o Fórum Católico-Muçulmano, realizado em Novembro último, no Vaticano.
Congratulo-me, como cidadão, com iniciativas destas, aliás no seguimento dos trabalhos realizados pelo anterior Presidente português, Dr. Jorge Sampaio, como enviado especial das ONU para o diálogo intercultural, ou as iniciativas de encontros inter-religiosos patrocinados por Mário Soares.
Todos caminham no mesmo sentido, o que é de destacar.
Das 15 conclusões do Fórum, é de enaltecer "que a pessoa requer o respeito pela sua dignidade original e a sua vocação humana. Defende-se, por isso, uma legislação civil que assegure a igualdade de direitos e a plena cidadania de todos, e há o compromisso de assegurar que a dignidade humana e o respeito se estendam a uma igualdade de base entre homens e mulheres".
Noutra conclusão afirma-se que "católicos e muçulmanos estão chamados a ser instrumentos de amor e harmonia entre crentes e para a humanidade em geral, renunciando a qualquer tipo de opressão, violência agressiva e terrorismo, sobretudo quando se cometem em nome da religião".
Ora o que aqui se descreve em linhas gerais, qualquer crente ou não crente pode assinar por baixo, contudo, tanta clareza de objectivos, suscita-me algumas perplexidades.
Então não são estes mesmos dirigentes religioso que apadrinham o tratamento desumano das mulheres nos seus países (quer por lapidação, por falta de direitos civis, etc., e mesmo nos católicos, pela impossibilidade das mulheres ascenderem a cargos na hierarquia ?
Então não foi o Vaticano, que imbuído por estas ideias sábias, defendeu aqui há tempo ser contra a descriminalização da homossexualidade ?
Pois é ! A letra não diz com a careta !
Mesmo o padre Anselmo Borges, que eu muito admiro como cidadão, não consegue fugir, porque sacerdote católico, às contradições das regras que lhe são (?) impostas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…