Pular para o conteúdo principal

O buraco

Desde o início da actual crise que a mesma ideia se me tem apresentado frequentemente.
Estamos mal e há quem promova, interna e externamente,  que estamos sempre muito pior não cuidando das consequências das suas opções. Fazem inteiramente jus à máxima "quanto pior melhor".
Recordo-me sempre, a este respeito, de uma história antiga que nos ensinava a diferença de mentalidades dos povos.
Não vou especificar os povos em questão mas a carapuça servirá a quem se sentir atingido.
Era a história do "buraco" e rezava assim:
"A certa altura para demonstrar como os povos são diferentes fizeram  dois buracos suficientemente largos e compridos para lá poderem caber 100 pessoas; a profundidade era o problema pois tinha cerca de três metros.
E então fizeram entrar em cada um cidadãos de dois povos diferentes e disseram: Se quiserem sobreviver tem de sair daí pelos vossos próprios meios.
Quais meios ? Estavam nus !Dependiam apenas de si próprios.
Enquanto a fome e o frio não apertaram os cidadãos de cada povo, cada um em seu buraco, mantiveram-se calmos, sem notícia de maior. O pior foi depois...
Começaram, então, a pensar na forma de poderem sair daquela situação; talvez a melhor, à falta de ferramentas, seria fazer uma escada humana de modo a poderem saltar os tais 3 metros..Um em baixo, outro nos seus ombros, e os restantes iam passando, escalando através dos seus corpos.
-Boa ideia! É mesmo isso! E vamos  fazê-lo durante a noite porque é mais fresco e melhor para o esforço a realizar...
No dia seguinte, num dos buracos estava apenas um cidadão, os outros 99 tinham saído e andavam a procurar meios para retirar do fundo do buraco aquele que se sacrificou para que a maioria saísse.
No outro, estavam os 100 cidadãos, prostrados por terra, maltratados, ensanguentados, incapazes de poder realizar qualquer outra tarefa para promover a fuga.
O que se tinha passado? Simples!
No primeiro buraco todos  cumpriram o plano para ultrapassar as dificuldades de todos; no outro,todos quizeram ser o primeiro a sair, sem respeito pelos demais, unicamente pensando em si próprios, no seu interesse, individualmente, egoistamente.
Ficaram todos lá sem solução para ninguém. Morreram de fome e de frio.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…