Pular para o conteúdo principal

Elites, de novo

Quando, na Comunicação Social, se começa a falar insistentemente em "elites" é sinal que alguém se começa de novo a sentir apertado.
Faz-me sempre lembrar aqueles almoços de açorda de marisco e vinho de Bucelas branco, gelado, que se faziam em bons restaurantes de Lisboa, a seguir ao 25 de Abril de 1974, em que "elites" bem pensantes discutiam como resolver os problemas da classe operária.
Hoje, voltaram a surgir encontros desses, embora os motivos políticos sejam de outra natureza. Mas são os mesmos, ou seja, as "elites" apeadas dos centros de decisão e que, encontrando-se marginalizadas, tentam conseguir fora das organizações, aquilo que dificilmente ganham dentro.
Temos exemplos desses, cada vez mais, a aparecerem e em todos os quadrantes,sejam de direita ou de esquerda.
É compreensível que, quem passou pelo 25.04.74 em actividade política, e na maioria dos casos na força da vida, se sinta nostálgico, e até compreendo, face às ideologias
que abraçaram, que sintam actualmente algum desconforto.
Mas existe agora uma situação nova:
-O Mundo mudou diametralmmente!
E as "elites", se o são, devem ter a capacidade e o conhecimento para encontrar novos caminhos capazes de apontar novos destinos e novas soluções, e aceitar, se a tal forem solicitadas, que deixem de se intitular de "elites".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…