Pular para o conteúdo principal

Uma confissão


Por razões que ainda hoje me escapam, passei a mim próprio um atestado de pequenez, eu que julgava que, dentro das minhas limitações,até era capaz de ter uma cultura minimamente acima da média.
Pois bem!
Numa daquelas "feiras do Livro" que se multiplicam e ainda bem pela cidade de Lisboa, mas tendo como característica o estarem dedicadas aos chamados "rabos de edição", encontrei o livro que aludo na imagem.
Onde andei eu tanto tempo a esquadrinhar livrarias e alfarrabistas (o meu desporto favorito depois dos ccaracóis à moda da minha Avó), e nunca me tinha dado por semelhante obra.
Por favor, quem tem filhos, ou com maior importância hoje em dia, quem tem netos, ajudem-nos a percorrer com coerência os meandros da leitura. Se não sabem, peçam ajuda!
Ainda hoje sinto as palavras enaltecedoras de uma sobrinha que afirmava que uma Bibliotecária de uma instituição de Cascais tinha sido importantíssima no seu percurso literário.(Repararam bem que "bibliotecária" está escrito com letra maiúscula.É que esse é um dos principais objectivos da sua actividade-Dar a conhecer.
Santa Senhora.)
E já agora, se não conhecem, corram a ler, e perguntem a Vós próprios como é actual.

Comentários

Mlee disse…
Reconheço que tive algumas sortes, a da Bibliotecária e a da mãe, que mais tarde, funcionou como se fosse a Bibliotecária, com uma estante repleta de Simone Beauvoir, Sartre, Marguerite Duras, Agatha Christie, Eça de Queiroz, livros que devorei aos 15 como se já tivesse passado dos 20 ... beijoquinhas.
T.Mike disse…
É isso, Mlee,
para que não se passe o mesmo que comigo, em que sozinho andei à procura de um destino (mesmo o literário) porque nunca tive a tão desejada e necessária tutoria, na fase mais importante da minha construção.
O exemplo que me deste, assim como o que me foi transmitido pelo próprio Saramago
(foi nas Bibliotecas Municipais e outras que fez a sua instrução de leitura, à falta de posses para ter uma biblioteca caseira própria), era o que eu queria transmitir aos pais e avós de hoje.
Sabes, eu ando muito pelas ruas e pelos jardins, e só vejo "putos" com jogos electrónicos e raramente com livros. E os papás e os Vóvós estão todos contentes porque os "putos" estão felizes e não chateiam.Estam-se a demitir face à facilidade. Amanhã estes mesmos miúdos vão ter os mesmos problemas de educação cultural .
Obrigado pelas dicas e por te teres reconhecido no meu post,pois eras mesmo tu.
Beijos.

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…