Pular para o conteúdo principal

Tarrafal

O Rogério da Costa Pereira, no  novíssimo blogue Pegada, sob o título " Espetem-me garfos nos olhos e rodem com força", faz alusão a um artigo de José Pedro Castanheira, no Expresso, cujo link indicamos abaixo :
"Tarrafal "não era uma prisão, mas sim um paraíso"
O referido texto tem por base um livro de José Vicente Lopes, um prestigiado jornalista e investigador cabo-verdiano, sobre a mais famosa prisão da ditadura, e revela que, no contexto africano, a Cruz Vermelha Internacional ficou espantada com as condições prisionais.Os responsáveis da Cruz Vermelha ficaram especialmente surpreendidos com "as idas semanais ao mar dos presos, as sessões de cinema, a biblioteca, as consultas ao Hospital da Praia, a possibilidade de estudar e fazer exames".
É triste ser obrigado a reconhecer que também na Cruz Vermelha nem toda a gente era recomendável.
A afirmação daria vontade de rir se o assunto não fosse trágico.
Claro que estas considerações se referem a impressões relatadas durante o período que decorreu até 1974.
Mas é importante o artigo de José Pedro Castanheira pelo que denuncia e, também, por aquilo  a que mais recentemente temos assistido.
O revisionismo da História é um campo que tem vindo a ser explorado insistentemente querendo fazer esquecer, aos mais incautos, uma verdade que incomoda ainda muita gente.
Mas como a memória existe é bom que seja reposta a realidade daquele campo prisional.
Por isso aqui deixo uma menção a um texto pungente da autoria de um dos mais destacados "tarrafalistas" - Cândido de Oliveira -.
Se não o conhecem tentem encontrá-lo e compreendam verdadeiramente o que era aquele "Paraíso".
Aceda a:
http://clix.expresso.pt//tarrafal-nao-era-uma-prisao-mas-sim-um-paraiso=f599197

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…