Pular para o conteúdo principal

Passagem de testemunho

2265420.jpg (750×500)


Estava escrito que um dia teria de suceder.
Pela primeira vez conseguimos juntar todos os filhos e netos na ceia de Natal.
Foi a alegria maior e a realização de um sonho que há muito acalentava só agora conseguido devido às distancias geográficas que separam alguns e/ou a impossibilidades momentâneas que anteriormente se demonstraram inultrpassáveis.
Juntou-se, pois, toda a minha geração familiar com os filhos e com os netos (Olá, Lela, devias estar esfuziante se assistisses...) e foi a festa, dos mais mais velhitos aos mais novitos, com aqueles olhos a brilharem e um sorriso de orelha a orelha.
A minha geração, hoje a dos avós, já sem ancoras fisicas que a liguem ao passado,  retirou-se para a plateia e deixou aos pais dos "crianços" a condução da função e o centro das atenções da festa para os mais novos.
E cada vez mais será assim, numa sucessão assumida e interiormente preparada, de uma tradição que se impõe naturalmente a fazer juz a quem nos antecedeu e nos transmitiu de forma impressiva os valores porque nos regemos.
Foi magnífico por isso estou feliz.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…