Pular para o conteúdo principal

«Nos tempos de crise, é normal que os crentes procurem um abraço de Cristo-Rei, como consolo e como protecção».

Cavaco dixit !

«Cristo abre os braços sobre todos os habitantes da cidade».
D. José Policarpo afirmou .

Tudo isto por causa de uma estátua de pedra, de gosto duvidoso, ali colocada por razões duvidosas (religiosas ?).

Seria interessante, já agora, fazer o mesmo com as restantes estátuas, ou só algumas para não ser fastidioso, desta nossa querida Lisboa.
Por exemplo, a do Marquês de Pombal .
Então dir-se-ia que em tempos de crise é normal procurar a força leonina do Marquês como consolo e protecção.

Ou a estátua do Saldanha...
Saldanha aponta o caminho a todos os habitantes da cidade.

O Adamastor em Santa Catarina...
A estátua do Eusébio na Luz...
O monumento à Liberdade no cimo do Parque Eduardo VII...
(Cada um que quiser que ponha a legenda) .

Detesto idolatras...!

Comentários

Núncio disse…
Mas não é o que faz? Idolatrar determinada personagem política?
Mal destes tempos em que se ataca quem tem fé, mas - ao mesmo tempo - faz-se o culto da personalidade de figuras de 3.ª categoria ética e moral...
T.Mike disse…
Caro amigo, obrigado pela visita.
Creio que está enganado quanto à idolatria pela minha parte.
Apoiar é uma coisa, idolatrar é outra completamente diferente, mormente em política. Mal será do país que tem um político idolatrado, no verdadeiro sentido da palavra. Normalmente é um ídolo com pés de barro.
Quanto a atacar a fé, não me viu fazer isso.
Nunca pus, nem ponho, em causa a fé de alguém.
Diferentemente, não admito que me obriguem a levar com a fé dos outros.
Estou, felizmente, num país que é uma República laica, com total separação de religiões (seja ela qual fôr) do estado.
Portanto, os meus direitos individuais não podem violados face às crenças de outrem ou grupos, mesmo que de certa dimensão.
Democracia é o respeito pelas minorias, sejam elas de que teor forem.
Quanto à classificação dos individuos, de 1ª., 2ª. ou 3ª. é frase sua que não escrevi nem assino por baixo ...

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…