segunda-feira, 6 de junho de 2011

Depois da borrasca


Ora, então, vamos lá...
Grande borrasca a de ontem, não foi ? 
Grandes consequências mais ou menos previsíveis...É verdade !
Mas nada disto serviria se não se tirassem conclusões. Tenham calma que já vou aos idiotas úteis de que falei na 6ª. feira...
Como ontem escrevi na minha página do FB e transcrevo:
"Consumado está.
O PSD ganhou as eleições e vai governar, certamente com o apoio do CDS, e terá todas as condições para realizar o seu trabalho.O povo português pronunciou-se e elegeu. 
O resultado tem de ser respeitado sem qualquer rebuço.À Oposição ficará o trabalho de controlo do poder. É assim em Democracia; é assim que se deseja que seja; foi isso que defendemos toda uma vida."

Esta é a minha posição de princípio e que me tem acompanhado, sempre, desde há cerca de 45 anos - 45, 
perguntarão porquê? - pois, quando tinha 18, já pensava na Política e na Democracia com ideias bem assentes e ainda faltavam 8 para a Revolução. Nem toda a gente da minha geração era assim, para o bem e para o mal, e isso veio a demonstrar-se mais tarde e os exemplos são muitos.
Mas voltando ao assunto inicial.
Está assim descrita a minha posição política face aos novos actores da política portuguesa. Nada mais há a fazer, neste momento, do que respeitar a vontade popular por maiores que sejam os engulhos  que isso nos possa causar. Mas não basta encher a boca com a palavra "Povo" é necessário respeitá-la.
Segundo ponto. 
O PS e José Sócrates perderam inequivocamente as eleições;  e é um facto que tem de ser aceite sem mais mas nem menos mas; e não há que ir buscar bodes expiatórios dos permanentes "ses" que estas situações normalmente geram.
Felizmente, José Sócrates - infelizmente para quem muito o respeita - tomou a atitude mais digna e fez um extraordinário discurso de vencido/despedida que deve deixar alguns amargos de boca a alguns vencedores que conhecemos recentemente.
Teve o discernimento  de abandonar o poder e/ou a liderança de um grande partido de forma corajosa e desapegada. Havia mais, na noite de ontem, quem devesse ter feito o mesmo, mas essa coragem não existiu. Ressalvo a posição tomada pelo presidente do pequeníssimo MEP que tomou idêntica decisão.
Mas dos idiotas úteis - cá vamos nós - existem alguns que ganham sempre e outros que não sabem despegar-se do seu estatuto de líder.
Há muito que era sabido que a idiotice à esquerda era um mal de que padecem certos partidos em Portugal.
Só faltaria saber se seriam úteis ou inúteis. No caso vertente foram úteis ... à direita; já se estava à espera e os motivos porque assim seria, também, por quem anda nisto há muitos anos.
Primeiro o PCP que ganha (?) sempre, que fica muito satisfeito com o seus 7.9% e porque conquistou um deputado no Algarve mas que no cômputo geral não granjeou mais do que 440.850 votos (eles parecem muitos porque vão sempre todos às manifestações). Mas o PCP atingiu o seu objectivo - a derrota do Partido Socialista, seu arqui-inimigo desde os tempos de Soares -. Ao PCP não lhe interessa um governo de esquerda, interessa-lhe poder continuar a dispor da rua para se manifestar contra qualquer coisa; movimentar as massas que ainda nele vêem um farol e um futuro radioso de amanhãs que cantam. Para continuar a existir o PCP não necessita de um partido que com ele converja em matéria política; necessita de um partido que lhe seja antagónico para que possa protestar.
Já o Bloco de Esquerda é um caso diferente. A nova versão à esquerda do projecto do PRD, tem um professor universitário em vez de um general como mentor. Está-se a esvaziar calmamente, tal e qual o outro. Os seus burgueses esquerdizantes vão olhando mais para o que perdem que para o que ganham e vão-no deixando a pouco e pouco sem encontrarem alternativa para as suas fogosidades revolucionárias. Louçã é um caso deprimente. Depois de uma hecatombe como a de ontem manteve-se impávido e não pôs o seu lugar à disposição. Perder a projecção política que lhe dá o cargo de coordenador do BE é-lhe mais penoso do que ter a humildade democrática, que tanto a outros exigiu, para aceitar que foi derrotado inexoravelmente. Esperemos, ao menos, que também não venha a ser vendido para servir de coito a um qualquer movimento extremista como foi o caso do Renovador Democrático. 
Falta-nos falar ainda da direita que se alapou à vitória. É o caso de Portas e do CDS.
Espertalhão, sabendo que vai para o governo obrigatoriamente. Paulo Portas esqueceu-se de avaliar a derrota que foi o não ter conseguido mais votos que o BE+CDU, sua questão de princípio, nem o facto de nem sequer poder ter podido vislumbrar o tão apetecido cargo de primeiro ministro como chegou a manifestar.
Arranjou um discurso, quase tipo PCP, para se declarar vencedor e continua na sua boa senda de um dos poucos políticos profissionais portugueses de mais longa vida partidária.
Sobre o PSD e Passos Coelho nem é necessário falar. Ganhou suficientemente distanciado para que possamos partir do princípio (?) que o povo eleitor estava suficientemente elucidado sobre as suas propostas. Vamos aguardar calmamente o desenrolar das suas políticas e verificar "a posteriori" se era verdade que os eleitores estavam cientes no que iam votar. A ver vamos.
Deixei para último o Partido Socialista, porque embora não seja militante, foi aquele a que dei apoio.
Sócrates tem razão! Ele perdeu estas legislativas e os anticorpos gerados à sua volta levaram também o Partido ao resultado conhecido.
O que espero do Partido a que dei apoio ?
Espero que seja coerente e que respeite os seus compromissos. Não espero que vá para o governo mas sim que se insira na Oposição ressalvando as situações em que deu já anteriormente o seu apoio. Terá de cumpri-las milimetricamente mas só e unicamente essas. No resto terá campo para ser um defensor das suas causas e dos seus princípios fundadores e um observador atento de toda a actividade governativa.

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...