segunda-feira, 1 de fevereiro de 2010

Correspondências


A Natureza é um templo onde vivos pilares
Pronunciam por vezes palavras ambíguas;
O homem passa por ela entre bosques de símbolos
Que o vão observando em íntimos olhares.

Em prolongados ecos, confusos, ao longe,
Numa só tenebrosa e profunda unidade,
Tão vasta como a noite e  como a claridade,
Correspondem-se as cores, os aromas e os sons.

Há perfumes tão frescos como a jovem carne,
Doces como oboés e verdes como prados,
- E há os outros triunfantes, ricos, corrompidos,

Que se expandem no ar como coisas sem fim
Como o âmbar, o almíscar, o incenso, o benjoím,
E cantam os arroubos da alma e dos sentidos.

Charles Baudelaire - As Flores do Mal - Spleen e Ideal -IV
Ed. Assírio & Alvim

Nenhum comentário:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...