Pular para o conteúdo principal

D. Helder da Câmara

De novo chamo a atenção para os artigos do Padre e professor Anselmo Borges no DN.

No de hoje, e relembrando o Bispo de Olinda e Recife D. Helder da Câmara, afirma que o mesmo nunca teria excomungado os responsáveis pelo aborto na pequenita de 9 anos violada pelo
padrasto.

Na realidade, no centenário do nascimento de D. Helder, era bom que que se meditasse sobre o seu exemplo de vida e como pastor.

D. Helder foi um verdadeiro pastor dos pobres, defensor inabalável dos direitos humanos.

Segundo Anselmo Borges, dizia D. Helder da Câmara que lhe chamavam santo quando dava comida aos pobres, mas apelidavam-no de comunista quando perguntava porque eram pobres.

Era defensor de uma Igreja pobre e praticava o que defendia. Fez parte, e foi dinamizador, do "Pacto da Catacumbas", realizado em Roma aquando do Concílio Vaticano II, tendo por base os mesmos conceitos já referidos.

Foi um dos defensores da "Teologia da Libertação" que o reaccionarismo vaticanista tanto atacou.

O padre Anselmo Borges voltou, de novo, a dar-nos um magnífico texto e a relembrar uma grande figura da História da Humanidade.

É bom lê-lo .

Quando acabava este texto chamou-me a atenção uma nova notícia sobre o assunto:

A Igreja brasilerira volta atrás na excomunhão da mãe da criança, mantendo-a contudo relativamente aos médicos por, supostamente, a terem pressionado a aceitar o aborto da filha.

Tentaram limpar parte da asneira, mas mantiveram o essencial. Se os médicos não tivessem pressionado a mãe poderíamos vir a ter uma criança morta aos 9 anos devido a uma gravidez criminosa com a qual a igreja católica é complacente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…