Pular para o conteúdo principal

O que o debate clarificou

O que mais ressalta do debate de ontem entre José Sócrates e Passos Coelho é que no dia 6 de Junho este país vai continuar em crise política.
A assumida e quase suicida intransigência de Passos Coelho face ao seu principal oponente não auguram nada de positivo. Passos não quer só ganhar as eleições, não quer ser só primeiro ministro quer fundamentalmente destruir Sócrates politicamente.
Sócrates apareceu até agora como vítima de um "complot" com base numa aliança contra natura (direita/esquerda) e mandou às malvas a proclamada arrogância do animal feroz aparecendo como o mais conciliador dos candidatos face aos problemas políticos com que nos defrontaremos no futuro.
Assim tivemos um debate inconclusivo quanto ao vencedor, tudo dependendo do olhar de quem o viu e da leitura das entrelinhas dos discursos.
É inegável que Passos Coelho surpreendeu neste debate, contrariamente aos anteriores em que tinha sido derrotado sem apelo nem agravo. Mas a meu ver não surpreendeu pela positiva. Os ódiozinhos de que o seu discurso vem eivado projectam-nos uma figura que nos levanta as maiores suspeitas no exercício do cargo a que se candidata. Diria mesmo que quem ganhou este debate foi a intransigência, o país e os eleitores pouco beneficiaram com ele.
Começa agora a campanha verdadeira.
Espera-se o quê? Mais do mesmo ?
Por parte do PSD está escrito o guião. Por parte de Sócrates aguarda-se que volte a ser o que sempre foi, um combatente, um aglutinador de vontades. O País já sabe o que se passou; agora é de futuro que se tem de falar e não de quem ganha ou perde numa hora de conversa de surdos.
É isto que se aguarda.É isso que o País necessita. Até porque além do mais, como não temos em Belém um Presidente em quem possamos confiar na isenção, terá de ser na AR que o assunto tem de ser esgrimido e solucionado.
Deixar nas mãos do inquilino de Belém a resolução do problema é o pior destino com que nos poderemos deparar.
A ver vamos. A solução está no voto dos cidadãos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…