Pular para o conteúdo principal

Portugal, terra dos estudos

Não ponho, quem sou eu, em causa a competência dos 28 ou 30 economistas que pedem, agora, a reavaliação dos projectos de obras públicas por parte do executivo.
O que salta à vista, contudo, é que o nosso país é a terra dos eternos estudos e porquê ?
Porque sempre que terminados uns logo se levantam dúvidas, por parte de outros técnicos, quanto à sua valia técnica.
Dá vontade de perguntar :
Mas quem fez os estudos também não eram técnicos avalizados para o efeito ?
Claro que eram, mas não eram certamente aqueles de seguida levantam os problemas, que sendo chamados a dar pareceres, quando os terminarem, também serão postos em causa por ainda outros técnicos ou somente pelos primeiros.
E assim vamos continuando a estudar e a resolver completamente NADA.
Acresce e bem, como o disse Mira Amaral, que alguns destes projectos, mormente o TGV, já vêm de 2000, tendo ultrapassado três governos de dois partidos diferentes, sendo o actual o único que teve a coragem de dizer faça-se.
E talvez seja isso que tenha levantado tantos problemas. Então um governo teve a ideia peregrina de finalizar um processo e dar voz de partida ao mesmo ? Um completo desaforo !
Mas partindo do principio que se deve reavaliar, então seria bom que os doutos 30 economistas dessem um contributo efectivo para a reflexão, não se esquecendo, depois, de dar também as medidas acertadas para criar condições para resolver o problema do desemprego, da segurança social, da saúde, etc. Não queremos ouvir mais teoria; queremos sobretudo aplicação prática.
Mas uma coisa é certa, quando a reflexão dos doutos 30 acabar, outros 30 ou 300 virão dizer que não é assim e que é necessário estudar o estudo que foi acabado de fazer.
E continuaremos nós a ser permanentemente um país adiado onde não se consegue dar seguimento a uma simples frase : FAÇA-SE !
Por outro lado desconfio que a grande maioria destes senhores não dará o menor contributo para a reflexão.
Primeiro, porque efectivamente o que pediram, foi que o executivo fizesse uma reflexão séria. Quer dizer, quem faz a reflexão é o executivo. Quando essa reflexão acabar eles cá estarão para dizer que está mal e que é necessária uma nova reflexão.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…