Pular para o conteúdo principal

O último "Jornal de 6ª"

Não tenho a mínima dúvida de que o "Jornal de 6ª" da inenarrável Manuela Moura Guedes teve, ontem, a sua última edição.
Tentando arranjar um "grande final" a pivot resolveu faze-lo em directo da Assembleia da República.
Para quem tinha dúvidas acerca do que move a jornalista creio que terá ficado perfeitamente esclarecido.
Foi um verdadeiro serviço público. Ninguém poderá, a partir de ontem, dizer que desconhece MMG e as suas motivações. E ainda bem.
Se o ridículo matasse a senhora já tinha encomendado a alma ao criador há muito, mas não mata e, por isso, ainda consegue estrebuchar enquanto disserta sobre o que paira na sua cabeça desiquilibrada.
Manuela Mora Guedes chegou ao fim enquanto jornalista tida por credível(?). Mostrou a sua verdadeira face e as suas motivações disparando em todas as direcções, não perdoando, no seu ódio e no seu desiquilibrio, nem aqueles que com ela trabalhavam, desrespeitando-os.
ACABOU!
O ar, no jornalismo, a partir de ontem, ficou mais respirável.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…