Pular para o conteúdo principal

Obama já começou a justificar o Prémio Mobel

Poderá, quase, não fazer mais nada mas esta sua victória contra o que há de mais conservador  e neo-liberal nas relações em sociedade justifica já a atribuição do Prémio Nobel que recebeu.
A Paz não é só referente só a conflitos de guerra mas, também, no que se respeita a contendas sociais, a inconformismos culturais e religiosos, etc.
Barak Obama, contra metade da América, VENCEU!
Grande bofetada nos detratores das funções primordiais do Estado, entre as quais o direito de todos à  assistência e saúde.
E o mais importante é que vergou o lobi poderozíssimo das seguradoras. A partir de hoje, no Mundo, nada vai ser igual ao dia de ontem no que respeita ao livre arbítrio das empresas de seguros.
Má notícia, também para cá, para aqueles que defendem menos estado nestas situações. Mas, também, não nos enganemos. Estamos satisfeitos com a medida aprovada nos EUA mas não deixamos de lamentar o quão distante ainda se encontra da realidade europeia.
Para os europeus que viam no sistema americano uma virtude o dia de ontem correu mal. Ainda bem!
Já não têm aquele paradigma a que se agarrar para discutirem a função do Estado inteveniente na sociedade e no mercado.
Com Obama a vencer, ainda que de forma algo mitigada para as condições que nós europeus disfrutamos, ficam mais fortalecidas as ideias de progresso social que a esquerda no mundo tem, sempre, vindo a defender.
Claro que existem uns patetas americanos que chamam comunista ao homem...
Está bem mas,em Democracia, a asneira também é democrática.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…