Pular para o conteúdo principal

Paulo Pedroso ganhou acção contra o Estado

Não o conheço pessoalmente e a única coisa que podia dizer a seu respeito é que tinha sido um belíssimo governante.
Fiquei espantadíssimo com a acusação contra ele formulada apenas porque, defeito humano, aquela figura pública nunca me despertara qualquer animosidade. Mas quem vê caras não vê corações e, daí, dar o benefício da dúvida às autoridades judiciais.
Com o decorrer do processo, que sempre me cheirou a esturro, e com as decisões posteriores da Justiça, mais se foi inculcando no meu espírito que o pobre do homem estava a ser vítima de uma maquinação sabiamente dirigida.
Mas como ele próprio diz, hoje no DN, a Justiça venceu e há que acreditar nela mais do que nunca.
Ora o que isto levanta, neste momento, é que podemos e devemos acreditar na Justiça, mas será que devemos ou podemos acreditar nos seus agentes, ou melhor, indiscriminadamente nos seus agentes ?
Creio que não !
Se fosse um empregado superior de uma empresa privada a dar um prejuízo à sua entidade patronal de 100.000 Euros, neste momento, já estava despedido e dificilmente arranjaria novo emprego com as mesmas atribuições.
Em Portugal isso não se passa na Justiça.
Um qualquer agente judicial, seja qual for o seu cargo, pode cometer os maiores dislates que raramente é sancionado pelas estruturas de que depende.
O que vai acontecer ao célebre, tristemente célebre, juiz Teixeira ?
Nada ! Vai continuar a julgar.
Para ele nada sucede como responsável de arbitrariedades e maus julgamentos, tudo com base numa inimputabilidade mais do que discutível.
E quem fala do juiz Teixeira fala nos outros todos que deram o seu amen a este processo ou no que contribuiram para o mesmo. Inclusivé, a antiga Provedora da Casa Pia. Também ela tem culpas largas neste cartório.
Fico satisfeito pela constante de vitórias de Paulo Pedroso contra os excessos da justiça, não da Justiça, mas só pergunto:
-Quem vai pagar os 100.000 Euros ?
-O Dr. Teixeira, os responsáveis do MP e da Judiciária ?
-Não ! Somos todos nós, os nossos impostos, aquilo que nos custa a ganhar.
Somos nós que pagamos os dislates de certos agentes da justiça, não da Justiça.
Que bom seria se pudessemos pedir o retorno, como nas Finanças, aos agentes responsáveis por má gestão dos processos. A todos !

Comentários

Mlee disse…
Bem verdade ... assim como também o é, que se qualquer um de nós intentasse uma acção igual à do Paulo Pedroso, talvez, só talvez, a visse resolvida daqui a dez anos, com prescrição certa a meio do processo e se ele chegasse ao fim, não receberia 10.000 € sequer!
Do outro lado da moeda, continua a ser a justiça que temos ...

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…