Pular para o conteúdo principal

I only say this once...more

Porque voto em Manuel Alegre ?
Por razões políticas, sociais, económicas, culturais e ...pessoais.
Por razões políticas, porque é o único que, nunca abjurando o seu estatuto de político, exercendo-o e tendo orgulho nisso, me dá garantias, porque o conheço desde sempre e nem sempre concordando com as suas tomadas de posição, de ser um defensor inabalável dos princípios prescritos na Constituição da República, que jurará e fará cumprir; porque será um Presidente que sei nunca me fará sentir vergonha de o ter como tal, quer interna quer externamente; porque sei que nunca promoverá, por jogadas de bastidores, o descrédito dos seus adversários nem baixará os olhos e se calará perante ofensas que dirigidas , na sua presença, ao estado que representa ao mais alto nível; porque sei que porá sempre, à frente dos seus interesses e sentimentos pessoais, os interesses do País representados pela vontade dos portugueses através da representação parlamentar da Assembleia de República.
Por razões sociais, porque sei que defenderá acérrimamente as conquistas básicas essenciais da Revolução Portuguesa, o Serviço Nacional de Saúde universal, a Escola Pública na boa tradição republicana, a Segurança Social como trave mestra da solidariedade nacional e intergeracional que tem as suas mais profundas raizes nas políticas sociais europeias do pós-guerra.
Por razões económicas porque será o primeiro, em conjugação com o poder executivo, a esclarecer e influenciar, quer interna quer externamente, todos aqueles que ponham em causa as capacidades de Portugal, país europeu com quase um milénio de existência ( daqui a 33 anos fará 900 anos), de resolver  e ultrapassar ois seus problemas. Porque será o primeiro a tentar resolver, por intervenção dentro dos seus poderes e sem disso extravasar,  todos as questões que eventualmente possam a vir a ser colocadas ao bom funcionamento do País.
Por razões culturais, porque é um dos autores mais conhecidos nacional e internacionalmente; porque é um homem de cultura no seu sentido mais lato, um defensor da língua portuguesa, da História do seu País, um conhecedor. Nunca será um adesivo cultural.
Por razões pessoais, porque o conheço desde sempre, desde o Canto e as Armas, A Praça da Canção, Um Barco para Ítaca, etc. Da Rádio Portugal Livre da Argélia, do seu papel no 1º Congressdo em Liberdade do Partido Socialista, das suas lutas pela Liberdade de Imprensa e contra a Unicidade Sindical.
Porque sei que pensa por si e que, muitas vezes discordando, lhe reconheço, porque reconheço aos opositores às minhas ideias o direito de as ter sem os ofender nem menosprezar, a grandeza democrática de conviver de forma sã e politicamente correcta com quem com ele discorda.
E como não encontra mais ninguém com todas estas capacidades, dentro do actual conjunto de candidatos eventualmente capazes de acdeder ao lugar de Presidente da República do País que eu amo, Voto em MANUEL ALEGRE.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…