Pular para o conteúdo principal

Terminar a festa mas não desfazer a banca

As presidenciais já foram! E o que ficou ?
Para muitos de nós um estranho sabor azedo na boca : foi-nos servido, novamente, uma receita retardada, uma refeição de que não gostamos. Que fazer ?
Pura e simplesmente deixar de ir aquele restaurante ?
Penso que não!
Deveremos reclamar do dono que a qualidade é péssima e que estamos dispostos a usar, as vezes necessárias, o livro de reclamações.
Afinal, é o único restaurante na zona e temos de comer...
Nem que , para tal, seja necessário obrigá-lo a trespassar o negócio. Deveremos ir todos os os dias para verificar se o que nos servem tem qualidade, se os preços estão adequados, se o serviço nos convem.
Quando acaba uma festa não é obrigatório desfazer a banca toda. É sempre bom deixar alguma coisa em condições de reutilização não se vá dar o caso de, em qualquer momento, se ter de realizar novos repastos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…