quinta-feira, 10 de julho de 2008

Ausência

Nasce a saudade no abrir dos braços
e a ave da angústia que esvoaça no vazio
faz o ninho no meio do peito.

A tua ausência é uma planta de cacto.
Perene,
trespassa-me em tropismos que dilaceram.

2 comentários:

Anônimo disse...

lágrimas...
mipa

T.Mike disse...

Sempre, Mipa, sempre!

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito... E cada vez mais do que nunca...