Pular para o conteúdo principal

Senadores e outros Senhores

Eu, que sou um rapazinho já na casa dos sessenta, tenho o gosto, e isso ainda posso dize-lo, de me poder recordar da existência de homens/mulheres políticos com a inteireza e consistência moral e política necessárias para serem considerados como proclamados dirigentes políticos e não como responsáveis de clubes desportivos da política.
E, meus Senhores, eram diferentes.
Como sou do tempo a que o Continente hoje faz publicidade, no que respeita ao açúcar, arroz e massas, também o sou dos homens e das mulheres que se punham em causa, e aos seus, com a sua actividade política.E se era difícil e tinha consequências.
É por isso que , hoje em dia, muito embora possa divergir ou não estar totalmente de acordo com as posições de alguns, não deixo de os considerar pessoas inteiras e com declarado valor político e social.
Serve este intróito para recordar pessoas que conheci (aprendi a ver)na minha juventude, felizmente ainda vivas algumas, como o Dr. Adriano Moreira, o Dr. Mário Soares, O Dr.Emídio Guerreiro, etc.
Pessoas a quem não era necessário, nem é, de chamar de Professores para se saber que o são, nem a quem era necessário aparecer em revistas populares para serem mundialmente conhecidas.
Homens como estes, e felizmente mais existem neste país de invejosos, nunca necessitaram de televisões para se afirmarem politica e publicamente, nem de andarem pelas feiras a dar beijinhos nas criancinhas.
Não é o que se passa hoje na comunicação social, seja ela escrita , visual ou radiofónica.
A grande maioria não é conhecida pelos seus actos políticos nem, e o que era mais importante ainda, pelo seu trabalho enquanto governantes.
Daí que faça, no título, a diferença entre Senadores e outros Senhores.
Todos me merecem o maior respeito enquanto cidadãos.Nem todos me o merecem, contudo, enquanto políticos.
Mas dir-me-ão:
-Não existem hoje valores capazes de vir a ombrear com esses homens do passado?
-Existem sim senhor!
Mas não certamente aqueles que são promovidos publicamente e de forma única pela Comunicação Social de conluio com os directórios partidários ou, maldosamente, dos clubes desportivos partidários.
Senadores, meus Senhores, serão homens de estado e com provas dadas.
O resto, e como diz o Povo...é conversa...

Comentários

Rocket disse…
muito bem!

já escrevi sobre isso, em "o diabo é um gajo porreiro", mas sublinhei bem uma pergunta: onde estão?

acredito que os haja, se o afirmas. sendo assim, espero bem que apareçam, precisamos deles... urgentemente.

um abraço
T.Mike disse…
É como as bruxas espanholas:
-Pero que las hay, las hay...

Atento,

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…