Pular para o conteúdo principal

Re(a)cordar

Ao anoitecer,
quando os homens, como os pássaros,
se despenham nas suas árvores
o cheiro primaveril das flores roxas,
aponta para uma outra vereda.

Um de novo encher o peito,
um recobrar primário dos sentidos
poluídos nos caminhos entre os espelhos,
entre as mãos e os olhos
e pelo esquadrinhar dos desejos.

Só depois,
o submergir no mar do sono,
numa calma sem fantasmas.

Comentários

Rocket disse…
bela descrição da vigíla, estado zero ou latência do sono...

isso são tudo sensações devidas às drogas secretadas pelo cérebro...

...O hormónio do crescimento (GH) pouco...só a partir do estágio 4 do sono NREM

...renina

...prolactina...

...TSH

agora a sério, excelente poema. queremos mais... e deve haver, quem escreve poesia assim, decerto que não é o primeiro...
Mlee disse…
Hehehehe ... Não resisto comentar os dois ...
Tio, obrigado por aceder ao meu pedido .. é lindo, mais um ... um descolar do sono ... adorei.

Rocket, eh pá tu e as drogas ... hahahah ... aqui entre nós que ninguém nos ouve ... não, não é o primeiro :) e, via de regra, são lindoooossss!
Jocas.
T.Mike disse…
Rocket,
Obrigado pela crítica.
Cada coisa a seu tempo.
Mais coisas virão.

Com os protestos da mais elevada consideração.

Mlee,
Tu és uma fã incorrigível.
Adoro-te.
Rocket disse…
mlee

não durmas muito... as casa têm tecto.. : )

sorry t.mike...

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…