Pular para o conteúdo principal

Mais um vómito dito intelectual

(Acerca do texto "Uma farsa" de Vasco Pulido Valente, hoje, no jornal Publico - http://jornal.publico.clix.pt/noticia/23-10-2009/uma-farsa-18072781.htm#).

Nunca chegaria ao desplante de Mário David de mandar retirar a cidadania a um português mas, com o respeito pelas devidas proporções, acho que, quando se perde um homem de cultura nas teias da vida comum, temos de lamentar essa perca  e não podemos deixar de verberar, não impedir nem proibir, a baixesa dos argumentos expendidos por tal pessoa.
Vasco Pulido Valente é um historiador de mérito mas um comentador que leva ao vómito.
VPV, por ódio político, rebaixa o adversário, tenta o seu assasinato público.
VPV não presta como analista, como comentador e, pelos vistos, como cidaddão defensor do livre pensamento.
As opiniões do cidadão VPV, não estou a falar do historiador, são um vómito.
Chamemos-lhe assim como um Vasco Graça Moura, que culturalmente é o que se sabe e como opinador politico-social é a última essência do mesmo vómito.
Mas quem sou eu para falar assim ? Nem sequer acabei o antigo 7º. ano.
No pensamento de VPV sou um incapaz de pensar o que me rodeia, não poderei ler nem interpretar e muito menos escrever o que penso ou construo..
Mas, na verdade, eu também não tenho emenda.
O poeta Ezra Pound era um fascistóide e eu adoro a sua poesia. Eu gosto dos ensaios históricos de VPM .Não se pode ter tudo de bom numa embalagem só.

Comentários

poematar disse…
EStava à espera que o vómito fosse maior. Até não é nada. O problema, neste país, actualmente reside no facto de qualquer coisita um pouco controversa ser polémica; ninguém sabe desmontar nada com clareza, humor, elegância - cai-se facilmente no insulto. Bem. Convido-te a dar uma espreitadela no meu espaço, pode ser? Tudo de bom.
Obrigado pela visita.
Fiquei contente com a descoberta de um novo site com poesia e /ou de poesia.
Serei visitante assíduo já que, como deveter reparado, no "Vermelho" também tem lugar, apesar da limitada produção do autor.
Tentei descobrir o perfil do autor do site no entanto, naturalmente por "nabice" informática congénita, não o consegui descobrir.
De qualquer modo estarei muito atento .
Cordiais saudações.

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…