Pular para o conteúdo principal

Monárquicos desafiam República a um referendo

Eu também gosto de jogos de sociedade.
Por isso também posso propor um referendo ?
Então é assim (como se diz agora)...
Que tal ser feito um referendo para que fosse formalizado primeiro um candidato ao trono ?
Sobre o que é a monarquia já todos sabemos. Tivemos 866 anos  dela.
O que não sabemos é quem deveria ser  aclamado  Rei...
Se o descendente de um banido, se o descendente longínquo de uma princesa do séc.XIX, se um italiano que comprou o título a uma bastarda, se um qualquer desafortunado "Zé Quitolas" que por aí aparecesse a dizer que era a reencarnação do D. Sebastião. Ou ,em última análise ,um natural das Berlengas, qual Napoleão português, que se quisesse fazer coroar imperador. Já para não falar na descendência do Rei do Congo.
Portanto ,já que a questão não é de regime, uma  vez que está mais que provado que o povo português é sinceramente republicano, seria de tentar saber quem, numa eventualidade longínqua, seria escolhido para o tal papel.
Talvez fosse giro.
Quanto ao referendo que a "Causa" pretende, além de ser inconstitucional, mas mesmo que não fosse, teria de certeza, o mesmo destino que teve, no Brasil,  para os Braganças brasileiros, isto é NÃOOOOO!!!!
E como, na realidade, temos coisas mais importantes para pensar neste País, é um assunto que, tão pouco, nos deve preocupar.
Como jogo de sociedade talvez, mas o meu seria mais engraçado, pelas escaramuças que por aí se veriam.
Entretanto, eu prefiro o Monopólio, o Jogo da Glória, o Ludo, ou nas cartas o Burro em Pé, que por si só, já é muito "portuguêsmente" monárquico.

Comentários

Camarada Tê

Este é (tenta ser) um cumentário (com o) tão abrangente quanto possível.Vamos lá ver se sou capaz disso:

Referendo (???) - não me posso ter com riso, vivó bigode do rei!; a mensagem - algo, não; TUDO está péssimo em Belém, a começar pelo inquilino que não paga renda; incapacidade - de quem? Da senhora préguntadora? Não tem emenda. Quem sai ao seu (Aníbal) não degenera, é impossível; no palácio real há um pavão real; e o Neves conheço eu bem, de ginjeira, excelente chefe de família, católico, bom rapaz.

Pronto. Ponto - de exclamação: Vivá República!!!!!!

E, já agora, vivó António Costa, meu Amigo e filho do meu Amigo Orlando!!! No domingo, lá estamos.

Abs

PS (Sempre) Espero por ti na Travessa. E se nela quiseres culaborar (com o) é só dizeres. Trato de tudo.
T.Mike disse…
Camarada Henrique,
a resposta a este seu comentário enviei-lho para o seu e-mail-
Saudações

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…