Pular para o conteúdo principal

Clube dos "Desassossegados" - contribuição IV


Na data dos 74 anos da morte do poeta :

“Pertenço a uma geração que herdou a descrença na fé cristã e criou em si uma descrença em todas as outras fés. Os nossos pais tinham ainda o impulso credor, que transferiram do cristianismo para outras formas de ilusão. Uns eram entusiastas da igualdade social, outros eram namorados só da beleza, outros tinham a fé na ciência e nos seus proveitos, e havia outros que, mais cristãos ainda, iam buscar a Orientes e Ocidentes outras formas religiosas, com que entretivessem a consciência, sem elas oca, de meramente viver.
Tudo isso nós perdemos, de todas essas consolações nascemos órfãos. Cada civilização segue a linha íntima de uma religião que a representa; passar para outras religiões é perder essa, e por fim perdê-las a todas.
Nós perdemos essa, e às outras também.
Ficámos, pois, cada um entregue a si próprio, na desolação de se sentir viver. Um barco parece ser um objecto cujo fim é navegar; mas o seu fim não é navegar, senão chegar a um porto. Nós encontrá-mo-nos navegando, sem a ideia do porto a que nos deveríamos acolher. Reproduzimos assim, na espécie dolorosa, a fórmula aventureira dos argonautas : navegar é preciso, viver não é preciso.
Sem ilusões, vivemos apenas do sonho, que é a ilusão de quem não pode ter ilusões. Vivendo de nós próprios, diminuído-nos, porque o homem completo é o homem que se ignora. Sem fé, não temos esperança, e sem esperança não temos própriamente vida. Não temos uma ideia de futuro, também não temos uma ideia de hoje, porque o hoje, para o homem de acção, não é senão um prólogo do futuro. A energia para lutar nasceu morta connosco, porque nós nascemos sem o entusiasmo da luta.
Uns de nós estagnaram na conquista alvar do quotidiano, reles e baixos buscando o pão de cada dia, e querendo obtê-lo sem o trabalho sentido, sem a consciência do esforço, sem a nobreza do conhecimento.
Outros, de melhor estirpe, abstivemo-nos da cousa pública, nada querendo e nada desejando, e tentando levar ao calvário do esquecimento a cruz de simplesmente existirmos. Impossível esforço, em que(m) não tem, como o portador da Cruz, uma origem divina na consciência.
Outros entregaram-se, atarefados por fora da alma, ao culto da confusão e do ruído, julgando viver quando se ouviam, crendo amar, quando chocavam contra as exterioridades do amor. Viver doía-nos, porque sabíamos que estávamos vivos; morrer não nos aterrava porque tínhamos perdido a noção normal da morte.
Mas outros, Raça do Fim, limite espiritual da Hora Morta, nem tiveram a coragem da negação e de asilo em si próprios. O que viveram foi em negação, em descontentamento e em desconsolo. Mas temo-lo de dentro, sem gestos, fechados sempre, pelo menos no género de vida, entre as quatro paredes do quarto e os quatro muros de não agir.

(Um dos textos considerados introdutórios do Diário de Fernando Pessoa-ele próprio para o Livro do Desassossego)

Comentários

Ana Paula Sena disse…
Excelente, Miguel! Um contributo deveras significativo, a ler e reler... Há aqui certas passagens de uma riqueza incomensurável.

Deixo os meus votos de início de uma boa semana :)

P. S. - Pedindo desculpa pelo atraso, queria também dizer que já respondi ao seu simpático desafio. Foi um prazer.
Benjamina disse…
Tão actual esta descrição de uns e outros,infelizmente.....
Concordo com a Ana Paula: excelente texto e excelente escolha.
Um abraço
Ana Paula,
Obrigado pelo comentário.
A "brincadeira" do Clube deu aso a releituras e redescobertas interessantes. Tem sido muito bom.
Ainda bem qe teve gosto em responder ao desafio. São pequenos jogos que por vezes, parece que brincando, nos obrigam a pensar sobre nós.
Um abraço.
Miguel,
Muito obrigada pela escolha deste texto como homenagem ao Poeta neste dia e como contributo para o nosso Clube.

A Ana Paula ainda não fez nada. Não sei se temos que fazer "uma reunião" para avaliar o caso.:))

Um grande abraço.
Maria Josefa,
ainda bem que gostou.
Fico satisfeito por isso.
Quanto à Ana Paula, acho que deverá ser chamada "à pedra" e ser-lhe aplicado o "devido correctivo"...:-)))
Um abraço.
Ana Paula Sena disse…
Ai, ai, estou de castigo!! :)))

Eu sei, eu sei, mas acreditem, já tenho o pequeno texto que escolhi para ser o meu primeiro contributo. Será precisamente a minha próxima publicação.

Abraços a todos vós.
daniel disse…
Descobri este esplêndido blog através de outro blog ("catharsis").
Ainda descubro, passo a passo, novos fragmentos "pessoanos". Ele, Pessoa, sempre eterno, o poeta de todas as gerações. =)

Termino com duas citações do poeta, que retirei deste texto(espero que me desculpem esta decisão deliberada de copiar algo do vosso blog sem a devida permissão), já que considero genial (como aliás todos os textos de Pessoa o são):

"Ficámos, pois, cada um entregue a si próprio, na desolação de se sentir viver." e "Reproduzimos assim, na espécie dolorosa, a fórmula aventureira dos argonautas : navegar é preciso, viver não é preciso."

Gostei bastante de aqui entrar! =)
Daniel,
obrigado pela visita e pelo juizo de valor, mais a mais vindo do "Catharsis".
Tentarei de seguida ir ao seu blog para também conhecer melhor quem me escreveu.
Saudações.

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…