Pular para o conteúdo principal

A nova igreja do Restelo



Não vou entrar na polémica já estabelecida quanto à beleza arquitectónica do edifício.
Há quem lhe chame "mamarracho", há quem ache interessante, futurista, avançado ou até sem dignidade para um templo.
Não discuto isso, embora possa afirmar que não me choca e o que deve interessar aos crentes é o que se passará no seu interior.
O que pergunto é qual a necessidade de um novo templo católico em Lisboa, numa época de recessão de actividade religiosa e de cada vez maior afastamento das populações .
O que  pergunto é o porquê de uma comparticipação de cerca de 25% do milhão de euros já reunido por parte de uma Câmara Municipal de Lisboa a braços com enormes dificuldades financeiras, tendo cedido igualmente o terreno, após permutas; decisões, aliás, tomadas no tempo da presidência de Santana Lopes.

O que me faz confusão é esta  vontade de construir novos templos em Lisboa, já que também está considerada a edificação de uma nova catedral na zona da Expo, para já não falar na prevista basílica de Santo António no Alto do Parque Eduardo VII.
Se a igreja católica deseja novos edifícios para o culto nada tenho contra, mas que os pague sozinha, já que são para sua utilização exclusiva.
E como cidadão de Lisboa, e não crente, porquê o estar a contribuir com os meus impostos para a realização de uma obra na qual não encontro o mínimo de utilidade pública, aquela, a necessária, que é a de providenciar a melhoria da vida (efectiva) dos  munícipes mais desfavorecidos.
Tem piada que aqui, e fundamentalmente os bispos e demais apaniguados, não pedem que seja feito um referendo na autarquia para que o povo de Lisboa se pronuncie sobre a necessidade do(s) projecto(s). Nisso não querem falar e consideram, certamente, que a decisão administrativa da Câmara chega para que o assunto avance.
É pena que não tenham a mesma posição quando se fala da Assembleia da República.

Comentários

mdsol disse…
Balhanosdeus!
:))
mdsol,
mas balhanos mesmo !!!
:-)))
cão sem raiva disse…
E tanta miséria por aí!...
Santa hipocrisia!...
Pois é, Amigo,
faz o que eu digo, não faças o que eu faço. É que ao mesmo tempo que gastam em coisas de que não têm necessidade, apenas espavento, andam pelas ruas fazendo peditórios para organizações suas que necessitam de fundos.
Saudações.

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…