Pular para o conteúdo principal

8/12/1894-1930 - Florbela Espanca - Nascimento e Morte



Deixai entrar a morte

Deixai entrar a Morte, a Iluminada,
A que vem pra mim, pra me levar
Abri todas as portas par em par
Como asas a bater em revoada.

Que sou eu neste mundo ? A deserdada,
A que prendeu nas mãos todo o luar
A vida inteira, o sonho, a terra, o mar
E que, ao abri-las, não encontrarás nada !

Ó Mãe ! Ó minha Mãe, pra que nasceste ?
Entre agonias e dores tamanhas
Pra que foi, dize lá, que me trouxeste

Dentro de ti ? Pra que eu tivesse tido
Somente o fruto amargo das entranhas
Dum lírio que em má hora foi nascido !...

(Reliquiae)

Comentários

analima disse…
A sua agonia era imensa, como se vê neste poema, e a ela não soube resistir.
Mas antes disso que belos poemas nos deixou!
Um abraço
Benjamina disse…
Lindíssimo e sentido poema, num dia que ficou marcado pelo seu aparecimento e desaparecimento.
Obrigada Miguel (T.Mike)
Analima e Benjamina,
a ideia desta postagem era mesmo fazer o ponto da confluência de datas - o nascimento e a morte.
É daquelas pessoas que nasceu e morreu e ao olharmos para a vida só se sente amargura, um íntimo agitado, uma doença que a vai consumindo, como só aquelas doenças consomem.
A felicicidade não passou por ali...
Um abraaço para ambas.

Postagens mais visitadas deste blog

Sonhar a terra livre e insubmissa

E volto aqui sempre que posso, enche-me o peito...
E cada vez mais do que nunca...

Retrato de Manuel Alegre

Alegre   Manuel   alegre até à morte
que lindo nome para um homem triste
que lindo nome para um homem forte.

Alegre   Manuel   despedaçado
pela espada da língua portuguesa:
a palavra saudade   a palavra tristeza
a palavra futuro   a palavra soldado
Alegre   Manuel   aberto cravo
aos ventos da certeza.

Alegre   Manuel   aqui mais ninguém fala
tão alto como tu   ninguém se cala
com essa dor serena e construída
não apenas de versos   mas de vida.

Alegre   Manuel   as línguas do teu canto
ateiam-nos fogo.
Neste lugar de lama e desencanto
tornas vermelho o povo.

José Carlos Ary dos Santos
fotos-grafias
Quadrante - 1970

Face a um desafio

"Si le hubiera cortado las alas habría sido mío, no habría escapado. Pero así, habría dejado de ser pájaro y yo, yo lo que amaba, era el pájaro."
Joxean Artze.



Pedi-te sempre que não olhasses para trás. Tu sabias que te queria demais, na totalidade, por dentro e por fora, só para mim e sem deixar nem um pouco para ti. Tu existias para que eu existisse queria-te sempre a voar ao meu redor, era eu o teu único destino...
Foi apenas isto que te obriguei a interiorizar por isso , num equívoco, deixei-te esvoaçar e tu não voltaste, seguiste e cumpriste, nem olhaste para trás...
Aí, entendi como era falso... Descobri, já só, que afinal eras tu o meu destino, que te amava por ti e apenas por ti. Descobri que as minhas mãos apenas têm dedos e não tenazese os meus braços apenas abraçam não agrilhoam;
o muito querer nem só tudo aceita, nem só tudo exige, o amar é dar e aprender.
Agora... só, olhando cada dia que nasce, repondo lá longe a linha do horizonte, sejas tu o Sol ou apenas o meu Sol, espero ansiosa…